Archivo de la categoría: Equipo y entrevistas

“Since I travelled to GH Headquarters in Spain, now when I look at product, I picture the person putting everything together to bring the piece to life, and that’s a really nice connection”.

Tim Marshall is Operations Manager in GH Cranes & Components for the US Market since 2015 but has been in the machinery industry for more than 35 years. Based in Terrell (Texas), he is skilled in material handling equipment, machine tools, operations management, heavy equipment, and electrical wiring.

 You have recently achieved the milestone of being in the crane business for more than 17 years (at least 15 of them working with GH). Did it ever cross your mind you would stay for almost 2 decades?
I have been building crane systems for more than 35 years. I have always enjoyed solving material-handling challenges. I was a machinist for several years before I got into management. We built and installed crane systems for handling various materials during our expansion projects. I had previous experience servicing CNC machinery and rubber molding machinery, troubleshooting problems with controls, which are somewhat similar to overhead crane equipment.

What did you know about GH when you started working with our equipment and what did you make to change the previous hoist brand you were using in your cranes?
To be honest, I didn’t know anything about GH, but I really liked the product as soon as I started working with the brand. I really like the design of GH equipment compared to some of the other manufactures, the ease of maintenance and service, together with the support that GH provided made the transition really smooth for me.

Looking back, has GH met your expectations? What would you say has been the most enriching experience while using GH products?
Definitely yes. I feel that it was the right move and in the right direction. From a personal point of view, I would say that visiting the GH factory in Spain in 2008 as a customer was a great experience, I believe that being “on the other side” for once helped me learn a great deal about the company.

Everything behind the scenes is very impressive. Getting to see the process in the factory first hand, looking at the way the equipment was manufactured… After getting to know the people behind the machine, you value more the finished product and now, many times when I look at product, I picture the person putting everything together to bring the piece to life, and that’s a really nice connection.

 In general, I am very happy with the quality we supply and support we receive, but there was this one time I  was really impressed with the support we received on one of the larger jobs we did using GH equipment at a large equipment manufacturing company. Other vendors were having major problems getting the cranes to fit in the window we had available, and GH was able to do it with special design girders and hoist/trolley configurations. 

“Now we are able to turn around jobs quicker than our competitors thanks to producing cranes faster”

Back in 2015, GH Cranes & Components decided to step ahead in the US market and acquired F&G Industries, so automatically you became part of the GH family. How would you describe the transition from F&G to GH?
Moving from one company to another is always challenging and people are sometimes resistant to changes, but I have to say that the transition was fairly smooth. Thanks to becoming part of GH, the upgrades to the manufacturing processes have made a big impact in our ability to manufacture quality equipment at a much quicker pace. However, we are always seeking to improve, grow and adapt.

What do you think are the main challenges GH faces in such a competitive market like the US market?
Probably being able to sell the quality and features of GH equipment. Obviously price is a heavy driver, but if we manage to quote special cranes and features and larger capacities, are key to make us stand out. Providing service and technical support are key factors in our growth.

What do you think is the main value GH is adding to the American market? What are its main opportunities?
GH has opened up some opportunities to make us more competitive here, so we are now able to bid on some much larger jobs for special cranes and features, also bringing opportunities with European companies in the USA.

We also have more inventory available and are able to turn around jobs quicker than our competitors thanks to producing cranes faster.

 The standard and smaller capacities is extremely competitive but we have customers that have been with us for many years, who are not buying strictly on price, because they know our quality and the reduced cost of ownership. Their loyalty is very important to us.

“We are determined to continue to improve and grow the GH Cranes brand in the US market”

Teamwork and people are two of the main pillars for GH, what would you highlight. These last 6 months we have gone through an unprecedented situation that has affected us all, both professionally and personally. How has it impacted in Texas?
It has had an impact on some of our contact with customers for sales and service. It seems most of our customers are essential business to the supply chain, so they have not been affected. The prices of oil and gas have had an impact on some of our customers, impacting sales and service. It seems it is going to be a slow return for our area.

Would you say there is or has been a positive side to it too? Will things be different from now on or will we (somehow) go back to the old days?
It has given us the chance to access different and new customers. Having to get out there and work harder to sell is somehow positive. Although we have had to challenge ourselves to stay in touch with clients, supporting our commercial activity with digital tools, we like meeting face-to-face and I think we will go back to that as much as we can.

To finish, what are your future plans within GH?  What would like for GH in the near future?
As a team and as a company, we are determined to continue to improve and grow the GH Cranes brand in the US market. Developing a strong reputation in the crane industry of providing quality and innovative designed equipment.

Hopefully expanding our facility in the near future, to continue improving our processes, lead times and quality, also building our own support team in the USA, and grow our parts and service department.

 

 

 

 

Pablo Garcia Gonzalez_General Manager GH en Brasil

«Eu conheci os Guerra em Beasain e imediatamente percebi que o projeto deles era exatamente o que eu estava procurando».

Pablo García González é Presidente da GH Cranes Brasil desde dezembro de 2019. Galego de nascimento, mora no Brasil há mais de dez anos e, portanto, conhece muito bem o mercado local. Conversamos com ele para descobrir mais sobre sua visão do mercado brasileiro, como ele vive e lida com a situação atual e quais são seus objetivos mais a médio e longo prazo. Não perca a entrevista abaixo.

Em dezembro de 2019, você se juntou à GH Cranes & Components. Por que você decidiu fazer isso?
Eu venho da indústria automotiva e há 20 anos trabalho em grandes multinacionais do setor, como o Grupo Antolín, um dos maiores da Espanha e do mundo. Eu estava trabalhando para eles como presidente na América do Sul quando Miguel, meu primeiro filho, nasceu. Miguel nasceu com síndrome de Down e sérios problemas de saúde. Ele passou por três cirurgias cardíacas em apenas três meses e, não surpreendentemente, tudo isso me fez repensar minha vida profissional. Decidi pendurar minhas chuteiras entre aspas e comecei a procurar uma empresa com interesse no Brasil, onde eu pudesse realizar meu trabalho sem ter que ficar no avião o dia inteiro. Depois de realizar entrevistas para várias empresas, conheci os Guerra em Beasain e imediatamente percebi que o projeto deles era exatamente o que eu estava procurando.

Qual a sua relação com o Brasil?
Minha primeira experiência no Brasil foi muito precoce, em 2001. Tinha acabado meus estudos e tive a oportunidade de participar da start-up de uma fábrica de assentos de carro em Curitiba. Eu estava trabalhando por um ano e o choque cultural foi tão grande que jurei que não voltaria. Mais tarde, trabalhei em diferentes lugares, como Detroit, Suíça, Europa Oriental e até mesmo na minha terra natal, Galicia. Liderei  a direção industrial da Megatech Industries, uma empresa também de origem no Pais Vasco, sediada em Amurrio. Embora meu objetivo fosse me estabelecer na minha terra, em uma das minhas viagens ao Brasil, onde tínhamos uma fábrica, conheci minha esposa e acabei me estabelecendo na mesma cidade em que disse que não voltaria anos atrás. Agora estou aqui há dez anos, minha esposa é brasileira, meus filhos são brasileiros e eu também sou metade brasileiro. Se puder, defendo este país como mais um local, porque, com seus problemas e dificuldades, acho incrível: avançado em termos de tecnologia e que muitas vezes não é valorizado o suficiente, nem no exterior, nem pelos próprios brasileiros.

«Eu sou um forte defensor do talento e acho que isso é algo abundante aqui, especialmente dentro da própria empresa»

O que a GH Cranes & Components pode contribuir para um mercado que você conhece tão bem, que é o mercado brasileiro?
Ambos podem contribuir muito um com o outro. A GH possui equipes sólidas e robustas que, aliadas ao profissionalismo e comprometimento dos trabalhadores daqui, formam um bom conjunto para continuar crescendo no mercado brasileiro. Aqui está um setor super poderoso, com muitas oportunidades de negócios, mesmo em tempos de crise como a que estamos enfrentando. E não é só isso, aqui também existem pessoas muito brilhantes e inovadoras, que oferecem infinitas soluções criativas. Eu sou um forte defensor do talento e acho que isso é algo abundante aqui, especialmente dentro da própria empresa, e que está me ajudando a formar a equipe de trabalho que eu procurava quando entrei.

E, pelo contrário, quais são as maiores dificuldades que o GH tem para competir em um mercado como o brasileiro?
É um mercado muito competitivo, com um grande número de empresas locais. Durante anos, houve muito protecionismo da economia, o que levou ao desenvolvimento de soluções locais, que não são fáceis de superar no preço. Diante disso, nossa força são as capacidades técnicas, o serviço e a confiabilidade e vigor de nossos equipamentos.

Assim que você entrou, você teve que enfrentar a crise do Coronavírus. Como esse revés afetou seus primeiros passos?
Foi um desafio incrível. Depois de fazer um treinamento em Beasain (Pais Vasco) eu tinha apenas dois meses na fábrica brasileira quando a pandemia começou. Eu comecei muito forte, com muitas mudanças e de repente me vejo gerenciando a equipe remotamente. Apesar disso, não paramos de trabalhar a qualquer momento. Implementamos medidas muito poderosas contra a Covid-19, no nível de grandes multinacionais, com resultados muito positivos. Essa crise nos forçou a fazer as coisas em tempo recorde e também serviu para unir ainda mais a equipe.

«Temos um ótimo produto, mas não devemos deixar de procurar a excelência e a maneira de oferecer sempre soluções inovadoras»

Além do Coronavírus, quais das suas primeiras medidas você destacaria?
Nestes primeiros meses, estamos focados em estabilizar e melhorar nossos sistemas e processos de gestão de qualidade. Temos um ótimo produto, mas não devemos deixar de procurar a excelência e a maneira de oferecer sempre soluções inovadoras adaptadas ao mundo e ao cliente de hoje, cada vez mais digitais. Pela minha experiência, sei que o brasileiro presta muita atenção aos detalhes e é neles que devemos continuar focados e crescendo. Que nos conheçam e nos valorizem por nossa qualidade, tanto do produto quanto do serviço. Ao contrário do que alguns possam pensar, o requisito aqui é muito alto.

E mais a médio e longo prazo, qual deve ser o objetivo principal da GH Brasil?
Ser ainda mais conhecidos. Ser uma empresa de referência em todo o país para a fabricação e manutenção de equipamentos de elevação. Para isso, temos que continuar visitando e contatando clientes, mesmo nos dias de Covid. Nossos melhores argumentos de vendas são clientes satisfeitos com as soluções vendidas pela GH.

Ainda assim, sabemos que você está fazendo um grande trabalho para tornar a fábrica um local de visita.
É isso mesmo, queremos tornar a fábrica nossa feira permanente de exposições. Estamos renovando todo o nosso próprio equipamento, atualizando-o com a mais recente tecnologia oferecida internacionalmente pela GH. Dessa forma, nossos clientes poderão ver as soluções que lhes propomos. Como exemplo, destacaria as soluções GH em conectividade, como o Corebox.

«O trabalho em equipe é um mantra de nossa sede em Beasain, e aqui temos que fazer o mesmo»

Para atingir qualquer objetivo, uma boa equipe é essencial. O que você pode nos dizer sobre o time que você formou?
Estou encantado com o time. Eles têm muito conhecimento técnico, muita vontade de trabalhar e cada vez com mais coesão. O trabalho em equipe é um mantra de nossa sede em Beasain, e aqui temos que fazer o mesmo. Quando cheguei, encontrei uma equipe com alguns paradigmas: que, se isso não é o que o cliente quer, e se não pudermos fazer isso … Todos os dias insisto em deixar para trás essas autolimitações, tentando motivar e incentivar que nada é impossível. Pessoalmente, aposto muito na promoção e crescimento interno  e em dar oportunidades às pessoas da casa, muito alinhadas com a filosofia da GH. E é isso que estou fazendo. Todos os dias tento motivar e incentivar a equipe sobre suas capacidades, digo a eles que nada é impossível e olhamos para o futuro com otimismo, confiança e vontade de continuar aprendendo e trabalhando juntos.

Pablo Garcia Gonzalez_General Manager GH en Brasil

“Conocí a los Guerra en Beasain y enseguida me di cuenta de que su proyecto era exactamente lo que buscaba”.

Pablo García González es el General Manager de GH Brasil desde diciembre de 2019. Gallego de nacimiento, lleva más de diez años viviendo en Brasil y, por ende, conoce muy bien el mercado local. Hemos hablado con él para saber más sobre su visión del mercado brasileño, cómo ha vivido y afronta la situación actual y cuáles son sus objetivos a medio y largo plazo. ¡No te pierdas la entrevista a continuación! 

En diciembre de 2019 te incorporas a GH. ¿Por qué decides hacerlo?
Yo vengo de la automoción, durante 20 años he trabajado en grandes multinacionales del sector como el Grupo Antolín, una de las mayores de España y del mundo. Estaba trabajando para ellos como presidente en América del Sur cuando nació Miguel, mi primer hijo, con síndrome de down y serios problemas salud. Miguel tuvo que pasar por tres cirugías de corazón en solo tres meses y, como es lógico, todo ello hizo replantearme mi vida profesional. Decidí entre comillas colgar las botas y me puse a buscar una empresa con intereses en Brasil en la que pudiera desarrollar mi labor sin tener que estar todo el día metido en un avión. Tras realizar entrevistas para varias empresas, conocí a los Guerra en Beasain y enseguida me di cuenta de que su proyecto era exactamente lo que buscaba.

¿Cuál es tu relación con el país brasileño?
Mi primera experiencia en Brasil fue muy temprana, en 2001. Recién había terminado mis estudios tuve la oportunidad de participar en la puesta en marcha de una fábrica de asientos de coches en Curitiba. Estuve trabajando un año y el choque cultural fue tan grande que juré que no volvería. Posteriormente he trabajado en diferentes lugares como Detroit, Suiza, Europa del Este e, incluso, en mi Galicia natal, llevando la dirección industrial de Megatech Industries, una empresa también de origen vasco con sede en Amurrio. Aunque mi objetivo era asentarme en mi tierra, en uno de mis viajes a Brasil, donde teníamos una fábrica, conocí a la que hoy en día es mi mujer y acabé instalándome en la misma ciudad en la que años atrás dije que no volvería. Ahora llevo diez años aquí, mi mujer es brasileña, mis hijos son brasileños y yo también soy ya medio brasileño. Si puedo, defiendo este país como un local más, porque con sus problemas y dificultades creo que es increíble: avanzado y puntero a nivel de tecnología y que muchas veces no se valora lo suficiente, ni en el exterior, ni por los propios brasileños.

«Soy muy defensor del talento y creo que es algo que en Brasil abunda, sobre todo dentro de la propia empresa»

¿Qué puede aportar GH Cranes & Components a un mercado que conoces tan bien como el brasileño?
Ambos pueden aportarse mucho el uno al otro. GH cuenta con equipos sólidos y robustos que, unidos a la profesionalidad y compromiso de los trabajadores locales, forman un buen tándem para continuar creciendo en este mercado. Además, en Brasil hay una industria muy potente con muchísimas oportunidades de negocio que aprovechar, incluso en momentos de crisis como el que vivimos. Y no solo eso, la gente aquí es muy brillante e innovadora, lo que aporta infinidad de soluciones creativas. Soy muy defensor del talento y creo que es algo que aquí abunda, sobre todo dentro de la propia empresa, lo que me está ayudando a formar el equipo de trabajo que buscaba cuando entré.

Y, por el contrario, ¿cuáles son las mayores dificultades que tiene GH para competir en un mercado como el brasileño?
Es un mercado muy competitivo y con un gran número de empresas locales. Durante años ha habido un fuerte proteccionismo de la economía, lo que ha hecho que se desarrollen soluciones locales a las cuales no es fácil vencer en precio. Ante ello, nuestro fuerte son las capacidades técnicas, así como nuestro servicio y la fiabilidad y robustez de nuestros equipos.

Nada más incorporarte has tenido que hacer frente a la crisis del coronavirus. ¿Cómo ha afectado este contratiempo a tus primeros pasos?
Ha sido un reto increíble. Tras realizar una formación en Beasain, no llevaba ni dos meses en la fábrica de Brasil cuando empezó la pandemia. Había empezado muy fuerte, con muchos cambios y, de repente, me veo gestionando el equipo a distancia. A pesar de ello, no hemos parado de trabajar en ningún momento. Implantamos medidas muy potentes contra el Covid, al nivel de las grandes multinacionales, con resultados muy positivos. Esta crisis nos ha forzado a hacer cosas en un tiempo récord y también ha servido para unir aun más al equipo.

«Tenemos un grandísimo producto, pero no debemos dejar de buscar la excelencia y la manera de ofrecer siempre soluciones innovadoras»

 

Más allá del coronavirus, ¿cuál de tus primeras medidas destacarías?
En estos primeros meses nos estamos centrado en estabilizar y mejorar nuestros sistemas de gestión de calidad y procesos. Tenemos un grandísimo producto, pero no debemos dejar de buscar la excelencia y la manera de ofrecer siempre soluciones innovadoras y adaptadas al mundo y cliente de hoy, cada vez más digital. Por mi experiencia, sé que el brasileño presta mucha atención a los detalles y es en estos donde debemos seguir poniendo foco y continuar creciendo. Que nos conozcan y valoren por nuestra calidad, tanto del producto como del servicio. Contrariamente a lo que algunos podrían pensar, aquí la exigencia es muy alta.

Y más a medio-largo plazo, ¿cuál debe ser el objetivo primordial de GH Brasil?
Ser todavía más conocidos. Ser una empresa referencia en todo el país para la fabricación y mantenimiento de equipos de elevación. Para eso tenemos que seguir visitando y contactando clientes, incluso en estos tiempos de Covid. Nuestros mejores argumentos de venta son los clientes satisfechos con las soluciones vendidas por GH.

Aún así, sabemos que estáis realizando un enorme trabajo para hacer de la fábrica un lugar de visita.
Así es, queremos conseguir que la fábrica sea nuestra feria de exposiciones permanente. Estamos renovando todos nuestros propios equipos, actualizándolos con la última tecnología ofrecida por GH a nivel internacional. Así nuestros clientes podrán ver in situ las soluciones que les proponemos. Como ejemplo destacaría las soluciones de GH en conectividad, como es el Corebox.

«El trabajo en equipo es un mantra de nuestra central en Beasain, y aquí tenemos que hacer lo mismo»

 

Para lograr cualquier objetivo, un buen equipo es fundamental. ¿Qué nos puedes decir del equipo que has formado?
Estoy encantado con él. Tiene mucho conocimiento técnico, muchas ganas de trabajar y cada vez empieza a tener más cohesión. El trabajo en equipo es un mantra de nuestra central en Beasain, y aquí tenemos que hacer lo mismo.  Cuando llegué me encontré un equipo con algunos paradigmas: que si esto el cliente no lo quiere, que si esto no podemos hacer… Cada día insisto en dejar de lado esas autolimitaciones, intentando motivar y alentar a que nada es imposible. Yo, personalmente, apuesto mucho por la promoción y crecimiento internos y dar oportunidades a gente de la casa, muy en línea con la filosofía de GH. Y es lo que estoy haciendo. Cada día intento motivar y alentar al equipo sobre sus capacidades, les digo que nada es imposible y miramos al futuro con optimismo, confianza y muchas ganas de seguir aprendiendo y trabajando juntos.