Pablo Garcia Gonzalez_General Manager GH en Brasil

“Eu conheci os Guerra em Beasain e imediatamente percebi que o projeto deles era exatamente o que eu estava procurando”.

Pablo García González é Presidente da GH Cranes Brasil desde dezembro de 2019. Galego de nascimento, mora no Brasil há mais de dez anos e, portanto, conhece muito bem o mercado local. Conversamos com ele para descobrir mais sobre sua visão do mercado brasileiro, como ele vive e lida com a situação atual e quais são seus objetivos mais a médio e longo prazo. Não perca a entrevista abaixo.

Em dezembro de 2019, você se juntou à GH Cranes & Components. Por que você decidiu fazer isso?
Eu venho da indústria automotiva e há 20 anos trabalho em grandes multinacionais do setor, como o Grupo Antolín, um dos maiores da Espanha e do mundo. Eu estava trabalhando para eles como presidente na América do Sul quando Miguel, meu primeiro filho, nasceu. Miguel nasceu com síndrome de Down e sérios problemas de saúde. Ele passou por três cirurgias cardíacas em apenas três meses e, não surpreendentemente, tudo isso me fez repensar minha vida profissional. Decidi pendurar minhas chuteiras entre aspas e comecei a procurar uma empresa com interesse no Brasil, onde eu pudesse realizar meu trabalho sem ter que ficar no avião o dia inteiro. Depois de realizar entrevistas para várias empresas, conheci os Guerra em Beasain e imediatamente percebi que o projeto deles era exatamente o que eu estava procurando.

Qual a sua relação com o Brasil?
Minha primeira experiência no Brasil foi muito precoce, em 2001. Tinha acabado meus estudos e tive a oportunidade de participar da start-up de uma fábrica de assentos de carro em Curitiba. Eu estava trabalhando por um ano e o choque cultural foi tão grande que jurei que não voltaria. Mais tarde, trabalhei em diferentes lugares, como Detroit, Suíça, Europa Oriental e até mesmo na minha terra natal, Galicia. Liderei  a direção industrial da Megatech Industries, uma empresa também de origem no Pais Vasco, sediada em Amurrio. Embora meu objetivo fosse me estabelecer na minha terra, em uma das minhas viagens ao Brasil, onde tínhamos uma fábrica, conheci minha esposa e acabei me estabelecendo na mesma cidade em que disse que não voltaria anos atrás. Agora estou aqui há dez anos, minha esposa é brasileira, meus filhos são brasileiros e eu também sou metade brasileiro. Se puder, defendo este país como mais um local, porque, com seus problemas e dificuldades, acho incrível: avançado em termos de tecnologia e que muitas vezes não é valorizado o suficiente, nem no exterior, nem pelos próprios brasileiros.

“Eu sou um forte defensor do talento e acho que isso é algo abundante aqui, especialmente dentro da própria empresa”

O que a GH Cranes & Components pode contribuir para um mercado que você conhece tão bem, que é o mercado brasileiro?
Ambos podem contribuir muito um com o outro. A GH possui equipes sólidas e robustas que, aliadas ao profissionalismo e comprometimento dos trabalhadores daqui, formam um bom conjunto para continuar crescendo no mercado brasileiro. Aqui está um setor super poderoso, com muitas oportunidades de negócios, mesmo em tempos de crise como a que estamos enfrentando. E não é só isso, aqui também existem pessoas muito brilhantes e inovadoras, que oferecem infinitas soluções criativas. Eu sou um forte defensor do talento e acho que isso é algo abundante aqui, especialmente dentro da própria empresa, e que está me ajudando a formar a equipe de trabalho que eu procurava quando entrei.

E, pelo contrário, quais são as maiores dificuldades que o GH tem para competir em um mercado como o brasileiro?
É um mercado muito competitivo, com um grande número de empresas locais. Durante anos, houve muito protecionismo da economia, o que levou ao desenvolvimento de soluções locais, que não são fáceis de superar no preço. Diante disso, nossa força são as capacidades técnicas, o serviço e a confiabilidade e vigor de nossos equipamentos.

Assim que você entrou, você teve que enfrentar a crise do Coronavírus. Como esse revés afetou seus primeiros passos?
Foi um desafio incrível. Depois de fazer um treinamento em Beasain (Pais Vasco) eu tinha apenas dois meses na fábrica brasileira quando a pandemia começou. Eu comecei muito forte, com muitas mudanças e de repente me vejo gerenciando a equipe remotamente. Apesar disso, não paramos de trabalhar a qualquer momento. Implementamos medidas muito poderosas contra a Covid-19, no nível de grandes multinacionais, com resultados muito positivos. Essa crise nos forçou a fazer as coisas em tempo recorde e também serviu para unir ainda mais a equipe.

“Temos um ótimo produto, mas não devemos deixar de procurar a excelência e a maneira de oferecer sempre soluções inovadoras”

Além do Coronavírus, quais das suas primeiras medidas você destacaria?
Nestes primeiros meses, estamos focados em estabilizar e melhorar nossos sistemas e processos de gestão de qualidade. Temos um ótimo produto, mas não devemos deixar de procurar a excelência e a maneira de oferecer sempre soluções inovadoras adaptadas ao mundo e ao cliente de hoje, cada vez mais digitais. Pela minha experiência, sei que o brasileiro presta muita atenção aos detalhes e é neles que devemos continuar focados e crescendo. Que nos conheçam e nos valorizem por nossa qualidade, tanto do produto quanto do serviço. Ao contrário do que alguns possam pensar, o requisito aqui é muito alto.

E mais a médio e longo prazo, qual deve ser o objetivo principal da GH Brasil?
Ser ainda mais conhecidos. Ser uma empresa de referência em todo o país para a fabricação e manutenção de equipamentos de elevação. Para isso, temos que continuar visitando e contatando clientes, mesmo nos dias de Covid. Nossos melhores argumentos de vendas são clientes satisfeitos com as soluções vendidas pela GH.

Ainda assim, sabemos que você está fazendo um grande trabalho para tornar a fábrica um local de visita.
É isso mesmo, queremos tornar a fábrica nossa feira permanente de exposições. Estamos renovando todo o nosso próprio equipamento, atualizando-o com a mais recente tecnologia oferecida internacionalmente pela GH. Dessa forma, nossos clientes poderão ver as soluções que lhes propomos. Como exemplo, destacaria as soluções GH em conectividade, como o Corebox.

“O trabalho em equipe é um mantra de nossa sede em Beasain, e aqui temos que fazer o mesmo”

Para atingir qualquer objetivo, uma boa equipe é essencial. O que você pode nos dizer sobre o time que você formou?
Estou encantado com o time. Eles têm muito conhecimento técnico, muita vontade de trabalhar e cada vez com mais coesão. O trabalho em equipe é um mantra de nossa sede em Beasain, e aqui temos que fazer o mesmo. Quando cheguei, encontrei uma equipe com alguns paradigmas: que, se isso não é o que o cliente quer, e se não pudermos fazer isso … Todos os dias insisto em deixar para trás essas autolimitações, tentando motivar e incentivar que nada é impossível. Pessoalmente, aposto muito na promoção e crescimento interno  e em dar oportunidades às pessoas da casa, muito alinhadas com a filosofia da GH. E é isso que estou fazendo. Todos os dias tento motivar e incentivar a equipe sobre suas capacidades, digo a eles que nada é impossível e olhamos para o futuro com otimismo, confiança e vontade de continuar aprendendo e trabalhando juntos.